Arquivo do mês: dezembro 2010

Convite ao conhecimento: Bienalize-se

“Um copo” de tudo o que há no mundo, agora  cabe a São Paulo navegar

Por Vivian Ito
Colaboração da jornalista de política para a seção de cultura

A Bienal de São Paulo, criada em 1951 por Ciccillo Matarazzo, exibida acada dois anos no Parque do Ibirapuera, estará em exposição do dia 25 de setembro a 12 de dezembro. O tema deste ano será ‘Bienalize-se, há sempre um copo de mar para um homem navegar’. Frase  retirada da obra Invenção de Orfeu, que sintetiza a intenção da exposição, de mostrar a impossibilidade de separar a arte da política.

Obras de 159 artistas de diversos países foram expostas no Pavilhão do parque. Entre eles: Nuno Ramos, Gil Vicente e Henrique Oliveira. Além dos quadros, este ano também foram expostos recursos visuais e auditivos, como vídeos e músicas. Em conferência de imprensa a curadoria educacional, Tânia Regina, revela que a ideia deste novo conceito é mostrar que entender e falar de arte contemporânea pode ser algo feito por todos, basta recorrer ao nosso repertório e experiências anteriores.

Segundo a professora Rosa de Moraes, “a grande quantidade de sensações produzidas por estes recursos, nos leva ao verdadeiro cotidiano, pois representam tudo o que temos que ver e ouvir no dia a dia”. Apesar de algumas pessoas discordarem – como Luiz Flávio Rodrigues, que afirma “nunca ter visto uma bienal tão estranha, já que a mistura de sons e a falta de explicação são muito confusos” – a função da bienal era exatamente o que Rosa descreveu, provocar pensamentos e reflexões que mostrassem ao público tudo aquilo que nos ajuda a pensar no mundo de hoje.

A despedida do Capitão William

Por Victor Pozella

William, zagueiro e capitão do Corinthians desde 2008 faz seu último jogo como jogador profissional domingo em Goiânia. O Jogador tem a possibilidade de levantar  o quarto troféu com a braçadeira de capitão do Corinthians, para isso acontecer, a equipe de Parque São Jorge  precisa ganhar o último jogo contra o Goias, fora de casa no estádio Serra Dourada, e torcer ao menos por um empate do Fluminense, em casa no Engenhão.

O zagueiro  se despediu de grande parte da torcida corinthiana no último domingo e  escreveu uma carta para a despedida.
Confira alguns trechos…

Escrevo essa carta apenas para agradecer a todos o apoio e carinho que me deram”

Foram 3 anos de muita luta, muita dedicação e muita responsabilidade. Ser jogador do Corinthians é muito difícil. Ser capitão é ainda mais difícil”

Já sinto saudade da energia que vem das arquibancadas do Pacaembu e de ouvir os gritos de incentivo que nos inflama dentro de campo”

Bom, é isso Fiel. Esse é o agradecimento de um homem, que um dia ainda criança, sonhou jogar e encerrar a carreira em uma grande equipe brasileira. Meu sincero agradecimento a todos que de alguma forma colaboraram para que esse sonho se tornasse realidade.”

“VAI, PARA SEMPRE, CORINTHIANS!!! “

William Machado De Oliveira, nasceu em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais em 20.08.1976.  O jogador apareceu para o futebol nas categorias de base do América-MG, clube que conquistou novamente a vaga na elite do futebol brasileiro esse ano, depois passou por Desportiva (ES), Ipatinga (MG), Cabofriense (RJ), Portuguesa, Joinville (SC) e  trabalhou com Mano Menezes no Grêmio, onde se destacou e chamou a atenção do clube paulista que em 2008 trouxe Mano Mezeses e seu zagueiro de confiança, William.

Desde que chegou o zagueiro fez dupla de zaga com Chicão que também foi contratado  em 2008 e os dois conseguiram formar uma das melhores duplas de zaga do Brasil nesses 3 anos de trabalho. Domingo, o jogador vai completar 160 jogos com a camisa do clube centenário e até hoje fez 4 gols pela equipe.

Outro quesito que chama atenção é o nível cultural do jogador. William é uma exceção e sabe argumentar, concede boas entrevistas e exerce sua liderança, dentro e fora de campo, auxiliando até mesmo os técnicos.

O nosso muito obrigado ao mineiro William que contribuiu com seu futebol nos gramados brasileiros.